dolomiti di sesto [tre cime di lavaredo]

O Parque Nacional das Dolomites de Sesto é um dos locais imperdíveis numa visita às Dolomites. A sua singularidade deve-se não somente à esplêndida paisagem mas também ao seu valor cultural e histórico pois foi neste local que aconteceram importantes batalhas entre a artilharia italiana e austríaca durante a 1ª Guerra Mundial.

Hoje, é impressionante pensar em que condições teriam aqui chegado ambos os exércitos, sem trilhos definidos, sem qualquer ajuda mecânica e como terá sido difícil passar o inverno a esta altitude sem abrigo. Pensei nisso várias vezes enquanto subia o Monte Paterno de mochila às costas e quando, no dia seguinte, regressámos a pé debaixo de um nevão como até ali nunca tinha experimentado.
Mas começando pelo princípio, de manhã cedo chegamos ao Rifugio Auronzo (2320 m) onde deixamos o carro. A estrada de Misurina até ao refúgio é uma estrada muito panorâmica que está aberta de Maio a Outubro e é necessário pagar uma portagem para percorrê-la.

Do Rifugio Auronzo seguimos o sentiero 101 que segue sempre muito plano junto à base dos 3 Picos. Este trilho é na prática um estradão usado por jipes que levam mantimentos ao Rifugio Lavaredo (2345 m) onde chegamos 45 min depois. O céu está nublado mas as vistas são maravilhosas.
Para subir à Forcella Lavaredo (2445 m) seguimos por um trilho bastante inclinado e ao longe avistamos pela primeira vez o Rifugio Locatelli onde passaremos a noite.

Existem várias opções, relativamente rápidas, para chegar ao refúgio, no entanto escolhemos a via ferrata Innerkofler, um dos percursos mais evocativos do complexo das Dolomites de Sesto, que através de um sistema de túneis e trincheiras de guerra atravessa grande parte do maciço do Monte Paterno.

As galerias vão-se sucedendo. No seu interior existem algumas “janelas” laterais que permitem a entrada da luz e oferecem vistas muito sugestivas para o exterior. O tecto é muito baixo e as janelas muito espaçadas por isso é fundamental levar capacete e lanterna.  
O troço final da via ferrata, que nos leva ao topo do Monte Paterno (2746 m), é praticamente vertical mas está bem equipada com cabos de aço que ajudam à progressão. Do topo vemos a imponente muralha dos Tre Cime di Lavaredo por entre as nuvens, Património Natural Mundial da UNESCO. É um bom local para sentar e aproveitar a vista.

Dali para a frente seria sempre a descer.

Descer uma via ferrata é muito mais complicado do que subir, principalmente com mochila, e às vezes é preciso parar um pouco para ganhar coragem e analisar a melhor maneira de encarar a descida. Mas apesar de termos encontrado várias pessoas, com mais e menos experiência, de várias nacionalidades e idades, nunca notei impaciências, vontades de ultrapassar, nem o contrário. Sempre foram todos muito corteses e reina o espírito de entre-ajuda. Isso é o mais importante para evitar acidentes.
 
Chegamos ao Rifugio Locatelli, ou Dreizinnenhütte, (2405 m) na parte da tarde.
O refúgio é um edifício de 3 andares em que no piso térreo se encontra a recepção, um bar e um restaurante/cantina e nos pisos superiores vários quartos de várias tipologias, desde os duplos e triplos mais privados até aos dormitórios tipo enfermaria, com vários corredores de beliches duplos, tantos quantos couberem dentro da divisão.
Ao jantar os hóspedes são agrupados nas várias mesas da cantina e segue-se um festim de iguarias como nunca encontrei nem imaginei encontrar num refúgio de montanha: desde o cesto de vários pães, a sopa ou pasta que por si só já era uma refeição inteira, seguida do prato de carne ou peixe à escolha e da sobremesa, café ou chá. Será suficiente dizer que depois todos tivemos que rebolar em direcção aos dormitórios.

Partilhámos mesa com um casal de americanos nos seus 20 e muitos, e com uma dupla muito interessante de pai-filho alemães. O pai, que já passava dos 80 anos, não falava inglês e como nós infelizmente não falamos alemão, muito menos os americanos, o filho fez o favor de ir traduzindo as suas histórias ao longo da noite. Contava-nos, entre outras coisas, da sua paixão por montanhas e como o Rifugio Locatelli estava diferente da primeira vez que lá tinha estado, há 50 anos atrás.
 

Os refúgios de montanha têm sempre características acolhedoras, mas nunca tinha estado num tão confortável.

Nem com esta vista.
No dia seguinte as montanhas de Tre Cime di Lavaredo estavam literalmente irreconhecíveis e o Rifugio Locatelli de repente localizava-se num cenário totalmente branco de neve e nevoeiro.
Depois do pequeno-almoço delicioso e reconfortante, entre ter que libertar o lugar no dormitório (esgotadíssimo) e ver as condições meteorológicas a degradar-se a cada 10 minutos que passavam, vestimos os impermeáveis e decidimos pôr-nos a caminho.

Não foi possível seguir pelo caminho mais longo inicialmente pensado e a possibilidade de escorregar fez com que cada passo custasse muito mais a dar que no dia anterior. Foi um bom exemplo de como as condições climatéricas condicionam a nossa experiência na montanha.

 
Também foi uma daquelas experiências que “formam o carácter”.
Quando chegámos ao Rifugio Auronzo, 1h30 depois, de pés ensopados e com os impermeáveis começando a ceder, percebemos que não estávamos equipados para estas intempéries.
Mas mais tarde, de volta ao lago Misurina, olho para trás e penso: Cada vez gosto mais disto”.
Só posso estar a ficar maluca.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s