sudtirol [italy or not italy]

Na estrada que nos leva para Norte em direcção às montanhas Dolomites apercebo-me, finalmente, que o ambiente austríaco que se sente nas províncias de Trentino e Sudtirol vai muito mais além do que uma simples proximidade de fronteiras: afinal toda esta zona pertencia ao Império Austro-Húngaro e só há menos de 100 anos atrás foi anexada a Itália. 

Falamos de uma influência cultural que se estendeu durante mil anos e que no século XX, simplesmente, mudou.
Mas terá mudado?

Depois do choque inicial ao verificar o quão resumido é o meu conhecimento da história da Europa, fui pesquisar mais um pouco e descobri, uma vez mais, como as zonas fronteiriças e as suas gentes são sempre tão fascinantes.

Existem várias regiões autónomas com estatuto especial em Itália. Foram criadas por factores geográficos e com o intuito de proteger minorias culturais e linguísticas. São o caso das ilhas da Sardegna e Sicília e das regiões alpinas de Valle d’Aosta, Friuli-Venezia Giulia e Trentino Alto Adige – Sudtirol. 

Durante a 1ª Guerra Mundial toda a zona alpina foi palco de grandes conflitos, principalmente nas montanhas Dolomites, entre os kaiserjager austríacos e os alpini italianos, para quem era de extrema importância estratégica o controlo das montanhas. As montanhas ditavam o acesso ao Mediterrâneo.
Assim, como um incentivo à participação na Guerra contra as Potências Centrais (Alemanha, Áustria, Hungria), os Aliados prometeram a Itália o território a sul dos Alpes. Esse território abrir-lhes-ia portas à apetecível hegemonia do Mediterrâneo.

Quem ganhou a 1ª Guerra, isso eu já sabia.

Os pactos pós-conflito que desmantelaram o império austro-húngaro, dividiram parte do território da Áustria como um espólio de guerra, incluindo a região do Tirol, cuja metade a Sul dos Alpes, tal como prometido, passou a pertencer a Itália, e a designar-se por Sudtirol. Estávamos em 1919.

O que se seguiu foi um período de “italianização” extrema da população local, levado a cabo por Mussolini, que incluiu a proibição dos meios de comunicação alemães, o ensino de alemão nas escolas, baniu nomes de família e a cultura alemã no geral.

Posteriormente, Mussolini e Hitler combinaram que a população de língua alemã deveria ser realojada na Alemanha e muitos deles só com grandes dificuldades conseguiram regressar à sua terra natal que, contra a vontade do governo austríaco, continuou a pertencer a Itália, após a 2ª Guerra Mundial.

Também sei quem ganhou a 2ª Guerra.

Os Aliados voltaram a decidir o destino desta província que se manteria dentro das fronteiras de Itália, desde que fossem reconhecidos direitos à comunidade de origem austríaca.
Mas a chegada de grandes vagas de imigrantes italianos nos anos 50 levou ao aumento da tensão na região que culminou em ataques terroristas por parte de separatistas neo-nazis e transformou a questão do sudtirol numa questão de importância internacional.

Apenas nos anos 70 se chegou a um acordo bilateral austro-italiano capaz de agradar a ambas as partes, que passou por conceder maior autonomia da região dentro de Itália e que tem sido considerado um modelo político capaz de resolver disputas inter-étnicas e de proteger minorias linguísticas.

Num pensamento simplificado, quando saí de casa, achei que vinha “conhecer as montanhas italianas”, mas esta viagem acabou por se transformar em algo bem mais abrangente que isso. As montanhas são sempre zonas geo-políticas muito interessantes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s