lake to mountain [to sea]

Quem não gosta de dar mergulhos num bom mar azul cristalino? Eu sei que gosto! Também gosto de explorar grandes cidades e os seus museus, adoro descobrir pequenas vilas românticas, e confesso que tenho um fraquinho por ruínas romanas.
Mas já percebi que as minhas andanças também têm que incluir o que chamo de “componente alpina”, ou seja, tenho sempre que ir dar uma volta às montanhas e na prática, é onde prefiro passar a maior parte do tempo.

Dito isto, apesar de já ter andado em montanhas mais ou menos longínquas, nos últimos tempos comecei a perguntar a mim própria porque é que ainda não dei quase nenhuma oportunidade às montanhas europeias.
Já estava mais que na hora de juntar os Alpes à minha “componente alpina”.

Este foi o ponto de partida para delinear uma viagem que serpenteasse entre os lagos e as montanhas dos Alpes, uma lake to mountain roadtrip capaz de nos levar:
  • a conhecer alguns lugares encantadores como Zermatt, a vila suíça que convive de perto com a silhueta permanente do Matterhorn, uma das montanhas mais bonitas do mundo;
  • a descobrir a região dos românticos lagos italianos (Orta, Maggiore, Como e Garda);
  • a fazer caminhadas e vias ferratas nas Dolomites, as montanhas brancas de uma região fronteiriça por excelência, que é o Alto Adige/Sud Tirol italiano;
  • a revisitar as maravilhas históricas e arquitectónicas de Veneza;
  • e ainda a terminar com duas pit stops, uma para um mergulho no Mediterrâneo em Génova e outra para piscar o olho a uma ruína romana muito especial no Sul de França.
Este era o plano inicial. E era um bom plano.
Mas um nevão relativamente precoce e inesperado, no meio de Setembro e no meio das Dolomites, enfiou-nos a via ferrata no saco, mudou-nos os planos e acabámos por estender esta roadtrip ao mar Adrático e à península da Istria na Croácia.

Não é isto o mais fantástico de viajar na Europa? Quaisquer 100km de distância são capazes de nos mudar totalmente o cenário, as pessoas, a língua, a moeda, a cultura e, neste caso, também o clima. Viajar no Velho Continente é sempre ganho! 

Aqui fica o itinerário desta roadtrip do Lago à Montanha |e ao Mar|:

dia 1
Vôo. Lisboa – Lyon (França)
Car. Lyon – Tasch (Suiça) (350km / 4h30)
Train. Tasch – Zermatt

dia 2
Zermatt
Trek. Materhorn
Trek. Rothorn

dia 3
Train. Zermatt – Tasch
Car. Tasch – Cannobio (Lago Maggiore) (200km / 4h00)
via Orta San Giulio (Lago Orta)

dia 4
Car. Cannobio – Lenno (100km / 2h00)
via Locarno, Lugano
Villa Balbianello

dia 5
Boat. Lago Como. Bellagio. Varenna
Car. Lenno – Bergamo (100km / 2h30)

dia 6
Car. Bergamo – Cortina D’Ampezzo (360km / 5h30)
via Riva del Garda (Lago Garda)

dia 7
Trek. Dolomiti di Sesto. ½ Loop 3 Cime de Lavaredo
via-ferrata Monte Paterno
Rifugio Locatelli

dia 8
Trek. ½ Loop 3 Cime de Lavaredo
Trek. Alta Badia

dia 9
Galeria Lagazuoi
via-ferrata Cengia Martini
Car. Cortina D’Ampezzo – Pula (Croacia) (360km / 4h00)

dia 10
Pula
Car. Pula – Rovinj (35km / 0h40)
Rovinj

dia 11
Car. Rovinj – Veneza (250km / 2h30)
Veneza

dia 12
Veneza

dia 13
Car. Veneza – Genova (400km / 4h00)

dia 14
Car. Genova – Uzes (450km / 5h00) via Monaco
Uzès

dia 15
Uzès market. Pont du Gard
Car. Uzès – Lyon (200km / 2h00)
Vôo. Lyon – Lisboa

artigos sobre esta viagem aqui

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s