atravessei o estreito de magalhães

Deixamos Puerto Natales de autocarro numa longa viagem que nos levará até à cidade argentina de Ushuaia. Para lá chegar, atravessamos a província chilena denominada “de Magallanes y de la Antartida Chilena”.

Deixamos os Andes para trás e por algumas horas voltamos à árida estepe patagónica.
Não posso deixar de me orgulhar quando percebo que muitas coisas no Chile, no outro lado do mundo, herdaram o nome de Fernão de Magalhães, provavelmente o maior explorador de todos os tempos, um português.

Esta região, várias espécies de animais e claro, o Estreito que o nosso navegador atravessou em 1520, herdaram o seu nome.
Na altura, o talento e a coragem de partir à descoberta eram portugueses mas o capital que financiou a sua expedição foi, como se sabe, espanhol.

Portugal foi forreta, mas também havia toda uma outra questão “burocrática” relacionada com o Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, que dividia as terras “descobertas e por descobrir” entre Portugal e Espanha. Portugal não podia simplesmente navegar para onde quisesse em direcção ao infinito. A descoberta de novas terras no mundo, ainda pouco conhecido, para lá das 370 léguas a Oeste de Cabo Verde já não estava na ordem de trabalhos de Portugal, agora pertencia a Espanha.

Assim, Magalhães pôs-se ao serviço de Espanha com o objectivo de chegar às Molucas, navegando para Ocidente, por mares não reservados aos portugueses e tentando provar que as tão disputadas Ilhas das Especiarias, talvez estivessem na metade do mundo espanhola.

Depois da travessia do Atlântico e de várias tentativas em vários rios e baías sul americanas, Magalhães navega o estreito entre a terra de gigantes a quem chamou de patagões, a Norte, e a terra onde se avistavam inúmeras fogueiras indígenas, a Sul.

Magalhães baptiza assim a Patagónia e a Terra do Fogo, mas não se fica por aqui.
Ao chegar a um novo oceano, calmo e sereno, quando comparado à agitação e ventania suportadas ao atravessar o estreito, Magalhães chama-lhe Pacífico.
Notei que há um certo orgulho chileno no nome Magalhães. Em Punta Arenas ergueram-lhe uma estátua num monumento e construíram uma réplica da Nau Victoria, a única da sua expedição que regressou a Espanha (a primeira nau a circum-navegar a Terra).

Nas Filipinas, que foram descobertas pela expedição de Magalhães e onde ele acabaria por morrer depois de atravessar o Pacífico e provar que a circum-navegação à Terra era possível, também encontrámos muitas referências e monumentos ao navegador.

Mas eu, confesso que só depois de voltar desta viagem reparei que a estátua que está no centro da Praça do Chile, em Lisboa, é o Fernão de Magalhães.
Mais tarde, após alguma pesquisa, aprendi com surpresa, que é uma estátua gémea da que está em Punta Arenas, que é do mesmo escultor e que foi oferecida pelo governo do Chile a Portugal.Gostava que o gabássemos assim no nosso país.

A ele e aos outros que, como ele, partiram em direcção ao desconhecido.
Não há vento quando atravessamos o Estreito de Magalhães.

É uma travessia calma num ferry pouco dado a poesias.

Mas há pelo menos 2 portugueses a navegar as mesmas águas que um tal Fernão de Magalhães, português, navegou antes de todos os outros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s