vida na estância

Numa zona do mundo com clima tão hostil, muito frio, seco e com um vento arrasador, é fácil imaginar que a agricultura sempre esteve muito limitada.
Por isso a economia da Patagónia desenvolveu-se e prosperou fundamentalmente devido a actividades relacionadas com a pecuária.

O povoamento desta região baseou-se na distribuição de terras para estabelecimento de estâncias destinadas a criação de ovelhas. As terras eram concedidas e após um período de arrendamento, caso cumpridas as exigências de permanência, tornavam-se propriedade do ocupante.

Ou seja, uma “estância” era o lugar para se “estar”.
As ovelhas foram trazidas pelos ingleses para Patagónia no fim do sec XVII, e os primeiros negócios dedicavam-se apenas à produção de lã devido à inexistência de instalações frigoríficas.

Por toda a Patagónia encontramos muitas estâncias que hoje em dia também acolhem turistas e lhes possibilitam contactar e aprender sobre as diferentes tarefas diárias dos gaúchos da Patagónia.

Ver os gaúchos trabalhar como o gado, tosquiar ovelhas ou percorrer o campo a cavalo são algumas das actividades possíveis de rechear uma experiência de vida na estância, que o mais certo é terminar à mesa, a saborear um belo asado argentino acompanhado por um tinto malbec.

Estas fotos foram tiradas na Estância Nibepo Aike, perto de El Calafate.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s