perito moreno

Perito Moreno, o homem, era um explorador argentino, especialista na Patagónia, que nessa região ajudou a definir a linha de fronteira entre a Argentina e o Chile, com base na linha de cumeada das montanhas dos Andes, no entanto nunca chegou a ver o glaciar que hoje leva o seu nome e que é, provavelmente, o glaciar mais conhecido do mundo.

Desde El Calafate é muito fácil visitar o glaciar Perito Moreno. Existe uma estrada que liga a cidade à península de Magalhães, onde o glaciar desemboca, literalmente, e nesse ponto de encontro foi colocado um conjunto de passadiços que permitem ao visitante observar os vários ângulos do glaciar.

Mesmo de perto.

Essa proximidade, que possibilita uma experiência espectacular, também faz com que este seja o glaciar mais famoso do mundo, mas existe uma “multidão” de outros glaciares ligados ao Campo de Gelo Patagónico Sul, igualmente espectaculares, apenas não tão acessíveis para o comum dos visitantes.

O glaciar Perito Moreno tem outra importante característica que é a de ser um dos únicos glaciares do mundo que, para além de não estar em regressão, até está a crescer. Ou seja, o seu ritmo de formação na base é superior ao ritmo de desprendimento de blocos na frente, de modo que o seu avanço é constante.

Ficar à espera de ver o desprendimento de blocos na frente do glaciar é uma experiência tão sedentária quanto emocionante. São blocos do tamanho de contentores que sem prévio aviso se desprendem e caem nas águas do Canal de los Tempanos (canal dos icebergues), num splash gigante, acompanhado por um som de trovão que ecoa no vale e pelas respectivas ondas que agitam a água até à península de Magalhães.

Como está em crescimento, de tempos a tempos, o glaciar alcança a península, bloqueia a passagem de água entre os braços do Lago Argentino e forma-se uma pequena barragem que faz aumentar o nível da água do braço Sul do Lago.

A pressão causada pelo aumento do nível de água vai desgastando o gelo até se formar um túnel que permite a passagem da água. Com o passar do tempo e da água, o túnel vai aumentando e transforma-se numa ponte que acabará por colapsar num fenómeno chamado “ruptura do glaciar”.

O ciclo de ruptura do glaciar é irregular e pode ocorrer a cada 2-4 anos, ou 10.
A última ruptura aconteceu no dia 10-Março-2016. (Estas fotografias foram tiradas no dia 25-Fev-2016)
Para além de observar o glaciar Perito Moreno percorrendo os vários quilómetros de passarelas, também existem outras opções para o apreciar em todo o seu esplendor.
Por exemplo, de barco, numa navegação no Lago Argentino que nos aproxima também de outros glaciares (Upsala, Spegazzini), ou a pé, no mini-trekking que nos leva a caminhar sobre o seu azul infinito.
De uma maneira ou de outra, visitar o Glaciar Perito Moreno (património da Unesco) é uma experiência inesquecível que uma vez mais nos recorda de como a Natureza é poderosa, sublime e genial.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s