manila

Manila é uma cidade de grandes contrastes onde se misturam as heranças dos vários povos que ajudaram a criar a sua identidade: filipinos, espanhóis, chineses, americanos e quiçá, até um pouquinho dos portugueses, já que foi um tal de Fernão de Magalhães que descobriu o arquipélago em 1521.

É uma cidade frenética em que se vive a alta velocidade tal é a quantidade de coisas tão diferentes a solicitar a nossa atenção e a acontecer ao mesmo tempo; mas também pode ser uma cidade onde estamos parados, se se der o caso de estarmos no trânsito, porque há tanto e é de loucos.

Como em muitas cidades que sofreram de aumento de população exponencial e péssimo planeamento urbano, o trânsito é só o primeiro grande sinal de caos. Depois encontramos a poluição, os engarrafamentos de pessoas, os miúdos de rua, a prostituição, os bairros de lata.

Manila já sofreu todo o tipo de catástrofes naturais e humanas. Os terramotos e as cheias ano após ano, seguidas da guerra que infelizmente tem sido inevitável nos países mais cobiçados em termos de posição estratégica mundial.

Mas de algum modo tem conseguido re-erguer-se das cinzas e hoje surge como mais uma mega cidade asiática, que apesar de ter má reputação e ser evitada pela grande maioria dos viajantes que não tem tempo a perder, pode tornar-se interessante se for adoptado o estado de espírito “primeiro estranha-se… depois entranha-se”.

Para isso é preciso tempo.
Não fui excepção. A cidade apresentou-se complicada e até um pouco agressiva, começando logo pela dificuldade que é sair do aeroporto, o não haver sítios para deixar mochilas, os táxis serem mais caros se chover ou se estiver trânsito, os magotes de pessoas no metro, as estações de metro serem fora de tudo, o toda a gente falar connosco e acabar com um “be safe” ou “good luck” como se fossemos sitting ducks numa cidade que nos vai comer vivos…

Mas depois, tendo tido a oportunidade de passar por lá mais que uma vez ao longo deste tempo de Filipinas, foi bem possível começar a ver tudo com outros olhos e começar a entender o obscuro conceito de “hanging out in Manila”.

A arquitectura, os cantinhos de Intramuros e o que resta do período colonial espanhol fazem-nos sentir em casa no outro lado do mundo; o frenesim religioso que rodeia a estátua do Black Nazarene na igreja de Quiapo também; a multi-culturalidade colorida própria de uma Chinatown em Binondo faz-nos perder em ruelas e mercados que escondem herbalistas, casas de chá e as mais deliciosas iguarias orientais; o pôr do Sol é na Manila Bay; o franguinho é no Aristocrat; ao início da noite a animação está no Rizal Park onde centenas de famílias passeiam e aproveitam a temperatura amena; depois segue para Ermita e Malate, os antigos red light districts da cidade onde hoje se concentram a maior parte dos restaurantes, bares, hotéis e onde tudo ganha nova vida assim que a noite cai.

Aqui ficam alguns ventos manileños.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s