Street Food Bliss

Sempre quis ter um blog de comida.
Um blog daqueles com imagens gulosas de pôr água na boca, com receitas fáceis tipo “Cooking for Dummies” e dicas com todos os melhores sítios para se petiscar. Mas a culinária é, para mim, uma paixão relativamente recente e de um modo ou de outro sempre achei que não me dedicava suficientemente à comida para isso.
Então tenho um blog de viagens.
Curiosamente também acho que não me dedico suficientemente às viagens. Mas ao menos a paixão, essa é antiga.
Este post é o melhor dos dois mundos.
Não acham que uma das melhores coisas de viajar é experimentar as comidas de outras paragens?
O que é que se come… onde… delicious… e já agora… low cost?
Aqui ficam as minhas recomendações gastronómicas com um pequeno alerta: são pouco reprodutíveis em casa. O melhor é ler e pegar já na mochila. (as fotos tirei da net)
 
BUREK, Sarajevo
Este pitéu vem dos tempos do império Otomano e por isso podemos apreciá-lo da Turquia às Balcãs em qualquer Pekara (pastelaria). É um folhado que pode ser recheado de carne, queijo ou vegetais, servido quentinho, perfeito.


ACARAJÉ, Salvador da Bahia  
O Acarajé é um must da gastronomia afro-brasileira típica da Bahia. É um pastel de feijão frito em óleo de palma e recheado de camarão, coentros, pepino. Super hot e super fresh ao mesmo tempo. E o melhor é que é tão frequente termos vontade de o comer como vermos baianas a vendê-los enquanto os cozinham em muitas ruas de Salvador.


FOCACCIA, Bologna  
Delicioso bite italiano recheado com os melhores ingredientes mediterrânicos: queijo, carne, tomate e uma panóplia de vegetais virtualmente infinita. Tudo temperado com azeite, sal, ervas aromáticas.

E como na pizza, o segredo está na massa.

 
FALAFEL, Amman
Tradicional no Médio Oriente, o falafel é um pastel de grão que surgiu como substituto da carne nos períodos de jejum. Normalmente é frito e comido dentro de um pão pita. Acompanha com tomate, pickles e molho tahini (à base de sementes de sésamo).

HOT DOG, New York

Um dos clássicos! Especialmente nos States no meio da classe trabalhadora que não tem tempo para perder à hora de almoço.

Uma salsicha dentro de um pão, com mostarda e ketchup. How simple is that? E o melhor é que tem mil variantes: com mayonese, com batata frita, com chilli, com vegetais. Eu gosto dos meus “com tudo”.

GYROS, Atenas
Um bite de carne assada em espeto vertical e cortada em pedacinhos. É servido em pão pita com tomate, cebola, e molho tzatziki (à base de iogurte, pepino e limão). Delicioso.

HARIRA, Marrakech
A Harira é a sopa tradicional do Maghreb à base de tomate e lentilhas. Espessa e de sabor apuradíssimo é servida com ovo cozido ralado, salpicada de ervas frescas e aromatizada com canela, cominhos e gengibre.

PAD THAI, Bangkok
Esqueçam os gafanhotos fritos. O pad thai é a street food mais popular na Tailândia. Noodles cozinhados em woks gigantes, em cozinhas improvisadas ou mesmo ao ar livre. Levam camarão ou frango, rebentos de soja e ovo e são aromatizados com molho de soja, malagueta, açúcar, cebola frita, amendoins tostados, lima e coentros. Um autêntico festim para os sentidos.

KOSHARY, Cairo 
O Cairo devia andar nas bocas do mundo por causa desta iguaria que se pode encontrar em qualquer esquina da cidade. E tem tanto de errado como de certo. Primeiro é uma mistura de macarrão, arroz, lentilhas e grão de bico (weird??) polvilhado de cebola frita, molho de tomate e limão. Parece tão estranho e tão básico e tão sem sabor que podemos sentir-nos tentados a pedir outro prato. Mas os restaurantes de koshary só servem koshary… e ainda bem, porque não dar a primeira garfada, isso garanto, seria um big mistake.

BIRYANI, Delhi
  
O Biryani não é só um arroz carregado de especiarias servido com iogurte curdo. Há uma alquimia ou um ingrediente secreto qualquer que lhe faz explodir o sabor. Esse ingrediente pode muito bem ser o cheiro do céu poluído de Delhi, misturado com os gritos dos chaiwallahs, misturado com o embalar de um comboio em andamento.
  
GREEK SALAD, Santorini 
Grega. A rainha das saladas. Tomate, azeitonas, oregãos e um grande pedaço de queijo feta, regado de azeite. Tá tudo dito.

FOLHAS DE COCA, La Paz 
Correndo o risco de ofender algum apreciador de comida andina, a verdade é que não morri de amores pela gastronomia portátil local, sorry.
Não vou dizer porquê, digo só que o melhor é brindar à Pachamama e seguir mascando umas folhas de coca. Podem não ser muito saborosas, mas têm outras propriedades curiosas.

Tuck in people!

2 Comments Add yours

  1. FM diz:

    “Não existe amor mais sincero do que aquele pela comida.”
    Bernard Shaw

  2. MH diz:

    Estou a ver… Estou a ver… quando vem o convite para provar estas iguarias ?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s