um dia em Belgrado

Belgrado não é uma cidade bonita, lemos isso nos guias e nota-se… principalmente depois de chegar de Sarajevo.
Arquitectonicamente, é um mix de edifícios imperiais e “bunkers” de cimento da era comunista.
Isso e o cirílico fazem-me lembrar Moscovo.

Belgrado também é conhecida por ser a cidade das Balcãs onde a relação qualidade preço da acomodação é pior.
Pois no hotel Royal, por 60€ (!!) tive que roubar as toalhas e o papel higiénico do quarto ao lado e só havia um lençol individual dobrado em cima da cama.
Soube mais tarde que este é um daqueles hotéis… onde certas senhoras de má fama ainda tentam regatear o preço por não ficarem a noite inteira… mas sim apenas umas horas..

Ultrapassada a questão hoteleira, fazemos o sightseeing na Knez Mihailova às 06h00, mas ainda demorou até conseguir um café, o primeiro bem essencial após uma noite mal dormida num autocarro.
Ou seja, pode dizer-se que para além das expectativas não serem altas, eu e Belgrado começamos com o pé esquerdo.

Mas isso resolveu-se rapidamente.
Em oposição às cafetarias, as pékaras (pastelarias) abrem bastante cedo, para gáudio de viajantes madrugadores acidentais como nós… e para mim, o segundo bem essencial após uma noite mal dormida num autocarro é um croissant quentinho recheado do mais decadente chocolate ainda a derreter… porque eu mereço!

Começamos pela cidadela-fortaleza de Kalamegdan de onde avistamos a encruzilhada dos rios Sava e Danúbio.

E onde mais tarde durmo uma sesta debaixo das árvores.
O corpo pede, Belgrado dá.

Vamos de tram para todo o lado, herança austro-hungara. O que eu adoro.
O almoço é no obrigatório quarteirão boémio de Skadarska onde experimento o imenso hamburguer recheado, típico do país.

Aqui vemos paredes grafitadas com arte, há flores nas janelas, a rua é empedrada e há bancos para sentar e ficar a ouvir o ocasional músico roma (cigano) e sua orquestra.

O café é no Supermarket. Fiquei fã.

Belgrado até pode ser uma cidade feia, se a compararmos às outras capitais europeias, mas o bom de Belgrado não está em monumentos apocalípticos ou numa arquitectura arrebatadora.

O bom de Belgrado está nas ruas, na vibração que se sente, num certo sentimento de hedonismo, de parar para aproveitar a vida, de cultivar o que nos dá prazer.

E como em tudo na Sérvia isto faz-se acompanhados ou “orgulhosamente sós”.

 

One Comment Add yours

  1. O legal está nisso mesmo, em sentir o lugar 🙂 beijo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s