Crossing Borders

26-Outubro-2010

Para chegar à Jordânia, tínhamos o plano de apanhar o barco rápido que sai de Nuweiba (1h a Norte de Dahab) directamente para Aqaba.
Isto para evitar as previsíveis complicações fronteiriças ao andar a saltar de país muçulmano (Egipto) para país judeu (Israel), para país muçulmano (Jordânia) que certamente aconteceriam se fossemos por terra.
Mas nós não percebíamos nada disto.

Em Dahab garantem-nos que indo por Israel é mais rápido. Que chegamos a Aqaba antes do ferry sair de Nuweiba.
E para além de mais rápido… muito mais barato. Fazemos as contas e a taxa de saída de Israel (uns avultados 25 USD/pessoa para quem só permanecerá no país uns meros 25 minutos) não chega aos calcanhares dos bilhetes do catamaran Nuweiba-Aqaba (70 USD/pessoa).

Já para não falar nos horários de saída dos ferrys egípcios, que segundo nos informaram, na melhor das hipótese chegariam a Aqaba já ao anoitecer…

E na realidade as complicações nestas fronteiras não existem… ou melhor, não existem para nós europeus e no sentido Taba (Egipto) – Eilat (Israel) – Aqaba (Jordânia).
O sentido contrário seria simplesmente impossível.
Isto porque a maioria dos países muçulmanos não reconhece a existência de Israel e assim é negada a passagem para o Egipto, Síria e Líbano a quem tiver um carimbo de Israel no passaporte…
Mas com a Jordânia é diferente.

Assim, seguimos a sugestão de quem percebe disto e de manhã apanhamos um mini-bus directo para a fronteira em Taba. No caminho apercebemo-nos da beleza do Golfo de Aqaba de um modo mais cru que em Dahab, sem construções, apenas umas palhotas à beira mar e um mar azul turquesa de pensarmos que estamos no paraíso… mesmo com as montanhas da Arábia Saudita a perscrutar o horizonte além mar.



Em Taba, a saída do Egipto faz-se calmamente. Perguntam-nos se estamos a pensar voltar ao Egipto, pois um carimbo de “saída do Egipto” em Taba (a única fronteira aberta entre estes 2 países) é exactamente igual a um carimbo de “entrada em Israel” em Eilat… e para o Egipto não existe aqui nenhuma fronteira, por isso não podem existir carimbos.

Com essa pergunta percebemos que costumam facilitar a vida às pessoas que viajam nestes países, num sentido e no outro, carimbando uma folha à parte e não o passaporte, àqueles que pretendem voltar. O viajante é que deverá estar atento e solicitá-lo.
O mesmo se passa à chegada a Israel.

Reparamos na diferença assombrosa entre os 2 países, a escassos metros de distância. Em Israel é tudo super desenvolvido e muito menos empoeirado.
Somos todos revistados, uns mais do que outros, e os de aparência “árabe” são marcados com uma etiqueta especial, mesmo na posse de passaporte europeu.

Em 5 minutos atravessamos Eilat, de taxi, até à ponte Itsaac Rabin, na fronteira com a Jordânia e mais uma vez os resorts, os hotéis com dezenas de andares e os restaurantes franchisados que não víamos desde a nossa saída da Europa, contrastaram abruptamente com o Egipto desértico ali ao lado.

Apesar de esta ser uma fronteira popular para day trips a Petra, não há ninguém aqui. Pagamos a taxa de saída de Israel e atravessamos a ponte a pé.
Estamos na Jordânia.

E o catamaran ainda em Nuweiba…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s