Cruzeiro no Nilo

21-Outubro-2010

Após a correria habitual para chegar ao barco, quando chegamos zarpamos imediatamente.
E afinal como é que funcionam os célebres cruzeiros no Nilo? Há-os para todos os gostos e para todas as carteiras.
Dos rápidos de 2 dias entre Aswan e Luxor, perfeitos para quem não tem muito tempo para gastar mas não dispensa a sensação de relax de viajar de barco rio acima, até aos cruzeiros de semanas entre o Cairo e Abu Simbel…

Não somos “cruise-persons” por isso o tipo de cruzeiro mais rápido foi sem dúvida, a melhor maneira e mais conveniente de seguir viagem. Por vários motivos:
  • Para não voltar “pelo mesmo caminho” (ou seja, pelo mesmo meio de transporte, o comboio).
  • Para fazer o necessário e merecido time-out do assédio constante de que os turistas são alvo no Egipto.
  • Para nos apercebermos de porque o Nilo é a verdadeira artéria deste país, do vale verdejante que o acompanha.
  • Para aproveitar ver algumas maravilhas de arquitectura que os antigos egípcios construíram cuidadosamente ao longo do rio.

E por 40€ a noite, o esquema dos cruzeiros é o seguinte:

07:00 – 09:00 – pequeno almoço
piscina
13:00 – 14:00 – almoço
piscina
16:00 – lanche
piscina
19:30 – 21:00 – jantar
22:00 – show

Claro que dada a proximidade ao trópico de cancer, a piscina só é possível debaixo de guarda sol… e pelo caminho fazemos paragens para visitar os templos de Kom Ombo e Edfu.

À noite damos por nós numa espécie de freak show com os turistas russos e franceses mascarados de faraós para as fotografias, depois vendidas a 5€ cada…

Nós aproveitamos para ir para o terraço ver as estrelas e ouvir a água do rio a escorregar no casco do navio.
Mas não estamos sozinhos. Lá, a bailarina de dança do ventre espera escondida pelo momento da sua actuação.
Nem vamos sozinhos. Acompanham-nos duas cervejas geladinhas que contrabandeámos para dentro do barco. É estritamente proibido consumir bebidas não adquiridas a bordo… mas o preço inflaccionado faz com que seja uma grande tentação comprá-las aos vendedores de rua.

A verdade é que os cruzeiros no Nilo, apesar de serem um grande sucesso entre os turistas, não são nem podem ser representativos do que é o verdadeiro Egipto.

A bailarina desce e os gritos e aplausos dos turistas sufocam o tilintar das moedas que ela balanceia à cintura.

Continuamos no terraço. Continua a escorregar a água do Nilo. E a cerveja contrabandeada também.

One Comment Add yours

  1. fm diz:

    Belissimo diário de viagem…gosto das geladinhas vencerem a bailarina.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s