BUS MEMORIES II – Potosí to Uyuni

15-Setembro-2009

No terminal de autocarros de Potosí tentamos comer qualquer coisa pois vamos fazer uma viagem longa durante a tarde. Mas não encontramos absolutamente nada que não seja “pollo frito” ou qualquer outra variante de “pollo”: milanesa de pollo, salteñas de pollo, caldo de pollo, etc… o que para pessoas que não comem carne pode ser complicado…

Por outro lado, o sumo de laranja feito na hora com recurso a material de carpinteiro em carrinhos improvisados é absolutamente delicioso e refrescante.

Na hora da viagem para Uyuni, carregamos as mochilas no porta-bagagens do autocarro e deixamos a cidade. A viagem dura 6h30 e é sempre em estrada não asfaltada… Pensamos “ainda bem que as dores de cabeça já se foram”. Este tempo todo para percorrer 210km.

São km esburacados e desconfortáveis mas lindíssimos, vêem-se formações rochosas fantásticas a fazer lembrar outras paragens americanas.

Há muita gente a trabalhar na estrada e nós pensamos que apesar do sentimento de isolamento que se sente nestes locais também ser algo espectacular, esta paisagem merecia mesmo uma estrada alcatroada.

Ler, escrever ou tirar fotografias está completamente fora de questão.
Lembramos que só 10% das estradas da Bolívia são alcatroadas e tentamos aproveitar a viagem lentamente kilómetro a kilómetro…

 

Pelo caminho vemos rebanhos de alpacas e fazemos uma pit stop de 10min para esticar as pernas. Mas não existe nada nesse local. Uma casa de adobe a cair, uma senhora a vender chicharrón, dois cães pulguentos.

Os bolivianos que viajam connosco aproveitam para petiscar o chicharrón.
Os estrangeiros não se atrevem.

6 Comments Add yours

  1. Vagamundos diz:

    È preciso coragem para comer chicharrón na Bolivia. Mas em pouco difere do nosso torresmo, se nos conseguirmos abstrair das diferenças em termos de condições higienicas 🙂
    Bjs

  2. FM diz:

    deve ter sido uma viagem divertida, nada como recuar no tempo e não esquecer que de Lisboa a Bragança são dez horas de distância….e só passaram 25 anos.
    Gosto da foto do PARE.

  3. A resposta à questão do sumo de laranja ser mais caro em Portugal que na Bolívia é simples: nós estamos a importar as laranjas da Bolívia (a)

  4. o Vento diz:

    bom relato e boas fotos … o “STOP” está espectáculo; era para parar o autocarro ou para não tirar fotos?

  5. 🙂 o “PARE” era um aviso para abrandar a velocidade uma vez que este troço de estrada estava praticamente todo em obras.

  6. Aqui o sumo de laranja é mais caro que na Bolívia pois custa-lhes limpar ao final do dia a máquina onde fazem os sumos.. È-lhes mais prático vender compal que nos faz pior à saude… E claro, laranjas do Algarve viste-as….

    Lentamente, kilómetro a kilómetro a absorver tudo…

    Essas barraquinhas são o nosso equivalente às estações de serviço .. A diferença é a distância entre elas…

    Estou a gostar da bolivia

    Gosto das fotos.. Tanta cor!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s