‘ARLES’

8-Ago-2004, Domingo

Depois do choque fantasma inicial, Arles surpreendeu pela sua vida cheia de cor e contentamento. Passeou-se por entre as ruínas romanas em volta das quais cresceu simbioticamente o resto da cidade. O Anfiteatro de Arles apresenta-se como a 2ª maior arena romana depois do Coliseu de Roma.
Mas a Provence que eu queria ver e a que mais gostei… foi a das ruelas estreitas, a das janelas com flores.

Cheira a oregãos… Em todas as esquinas há uma banca a vender bouquets de lavanda, saquinhos com “herbes de Provence”, óleos e vinagres, livros de receitas. Dá vontade de cozinhar e depois pegar no cesto e na toalha aos quadrados… e sair para fazer um picnic.

Encontrámos muitas iniciativas culturais. Acontecia o festival de fotografia “Rencontres d’Arles”, por isso por toda a cidade se distribuíam panfletos com sugestões de exposições.

Vincent Van Gogh viveu em Arles durante um período de tempo que se considera ser o seu mais criativo. Ele veio para esta cidade com o intuito de criar uma colónia de artistas (à qual se juntou Gauguin) mas aparentemente não teve sucesso. Pelo contrário, foi na Provence que descobriu as cores vivas do campo e do mediterrâneo que lhe inspiraram as obras primas.

Um dos meus quadros preferidos foi pintado no sítio mais emblemático de Arles, a onde todos os caminhos da cidade parecem ir dar, cheia de esplanadas e sítios onde apetece sentar, a Place du Forum:


The Cafe Terrace on the Place du Forum, Arles, at Night

Este sítio existe e é agora o Café Van Gogh.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s